Ensino Superior

AAC confirma saída do ENDA

Arquivo

Encontro extraordinário manteve modelo de votação. Dirigente declara que saída “não significa sair do movimento estudantil nacional”. Por Margarida Verdade

No passado sábado, dia 11 de novembro, decorreu, em Aveiro, o Encontro Nacional de Direções Associativas (ENDA) extraordinário. Em discussão esteve a problemática do modelo de voto utilizado. João Caseiro, presidente da Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC) confessou considerar o modelo “arcaico” e “pouco representativo” da realidade do ensino superior. Na última Assembleia Magna, os estudantes de Coimbra votaram a saída caso o modelo de votação não fosse alterado, uma vez que “não representa de forma justa os estudantes”, reitera o dirigente.

O presidente da DG/AAC defende um modelo de voto proporcional, ou seja, “se uma associação representa um certo número de estudantes, deverá ter um número de votos equivalente a esses mesmos estudantes que representa”. No novo modelo proposto, a cada milhar de estudantes, teríamos um voto, pelo que a AAC teria direito a 25 votos. É defendido, assim, o modelo dual, que passa pela votação atual, ou seja, um voto por associação, mas também por este voto em proporção, de modo a chegar a um resultado mais consensual. João Caseiro afirma existir uma “má vontade” vinda das estruturas que votaram contra esta alternativa de voto porque o mesmo acaba por ser “o equilibrar das duas vontades”. Se se mantiver igual, o modelo de votação acaba por ser “prejudicial a estruturas como a AAC” e por “beneficiar as federações”, de acordo com o representante da Académica.

O dirigente acredita que outras associações que se sentem “mal representadas”, vão também deixar de comparecer no encontro, o que o vai enfraquecer enquanto plataforma. Segundo João Pedro Caseiro, este encontro acaba por ser um “espaço de discussão centralizado em duas/três federações” e não um “fórum onde se discute a verdadeira realidade do ensino superior”. Acredita, então, que, com o abandono destas instituições, o ENDA vai perder a força e a credibilidade, uma vez que são várias as estruturas que vão deixar de participar neste fórum.

O resultado das sondagens A Cabra/RUC indicou que 55,7 por cento dos estudantes defendem a permanência no encontro. A propósito, João Caseiro menciona que “todos os estudantes podem participar numa Assembleia Magna, discutir, de novo, o assunto e demonstrar opinião em relação a esta problemática”. Neste sentido, defende a importância de elucidar os estudantes sobre o que é o encontro e os motivos da saída do mesmo e, se necessário, realizar uma nova votação.

O atual presidente enfatiza que “a AAC não vai deixar de estar presente nas lutas pelos estudantes” e não vai ter “uma posição menos participativa naquilo que é a discussão dos assuntos relativos ao ensino superior”. Conclui ao declarar que a “Académica vai participar, da mesma forma, no movimento nacional estudantil e na defesa e proteção dos direitos dos estudantes”.

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2022 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top