All for Joomla All for Webmasters
Cultura

“Fluxo e Metamorfose” é “do que é feito uma coleção” pelo Centro de Arte Contemporânea de Coimbra

Mário Cesariny

Na segunda exposição apresentada pelo CACC o abstracionismo é “o grande núcleo” que une a coleção. Mário Cesariny, Peter Zimmermann e Helena Almeida são alguns dos artistas em exposição. Por Ana Rita Baptista e Marília Lemos

“Fluxo e Metamorfose” é o título da segunda exposição da trilogia “De que é feita uma coleção?” do Centro de Arte Contemporânea de Coimbra (CACC). A exposição teve início hoje, dia 9 de abril, pelas 17 horas e vai estar aberta ao público até dia 20 de junho. As obras apresentadas pertencem à Coleção de Arte Contemporânea do Estado, que foi oferecida por 25 anos ao município de Coimbra. 

A exposição conta com obras artísticas como pinturas e fotografias, que se relacionam todas entre si “do ponto de vista conceptual e formal”, como explicou José Maçãs de Carvalho, curador no CACC e professor no Departamento de Arquitetura da Universidade de Coimbra (UC). A primeira parte da trilogia de exposições foi apresentada a 4 de julho de 2020, intitulada “Corpo e Matéria”. “Fluxo e Metamorfose”, tema e título da segunda coleção, é representado por abstracionismo puro e geométrico. 

De acordo com José Maçãs de Carvalho, a exposição divide-se em três salas, “num percurso ascendente”. A primeira sala, composta por pinturas com cores muito intensas e tridimensionais, foi  “construída de forma impactante”, explica. Na segunda sala, “esta intensidade atenua-se, e é introduzido um abstracionismo de cores mais contidas e o abstracionismo geométrico”, continua. Já o terceiro piso, “é uma síntese de toda a exposição”, pois conta com obras de todas estas áreas, e termina com uma de Helena Almeida, a única em que há figuração.

Esta segunda exposição conta com obras de Peter Zimmermann, dos catalães Antoni Muntadas e Antoni Tàpies e do falecido artista português Fernando Calhau. Está presente também o pintor Jason Martin, que vive entre Londres e a Comporta, e vários outros artistas. O curador destaca ainda as obras em apresentação de Helena Almeida e as pinturas de Ilda David e Mário Cesariny. 

Segundo José Maçãs de Carvalho, “as expectativas do CACC mantêm-se altas apesar do contexto pandémico”. Para ele, isto deve-se ao facto do centro ter contado com “um número extraordinário de visitantes”- cerca de três mil entre julho e novembro. Relata ainda que considera “a localização do edifício essencial para que isto seja possível”, visto que está centralizado na cidade medieval.

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2019 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top