Ensino Superior

Renato Daniel apresenta candidatura ao Conselho Geral da Universidade de Coimbra

Fotografia cedida por Renato Daniel

Vice-presidente da DG/AAC assume intenção de apresentar queixas de estudantes à direção da UC. Aproximação do órgão à comunidade estudantil é palavra-chave. Por Lara Ximenes

Foi apresentada, ontem, dia 23, a candidatura de Renato Daniel a membro do Conselho Geral da Universidade de Coimbra (UC). Num texto publicado nas redes sociais, ressalta a intenção de alcançar “patamares de topo na qualidade e na excelência” numa era que “acarreta consigo novos desafios emergentes”.

O vice-presidente eleito da Direção Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC) pretende uma “universidade futurista e inclusiva na qual todos os estudantes possam estar representados”. Através de medidas bem estruturadas” e de um “plano estratégico de ação”, o Conselho Geral da UC assume-se capaz de identificar os problemas existentes na instituição.

Renato Daniel refere que uma das vantagens deste projeto é heterogeneidade nas áreas de conhecimento. Tal permite “uma visão completa no que diz respeito às várias unidades orgânicas e representatividades de curso”.

“A proposta é “ambiciosa”, declara o candidato ao Conselho Geral da UC. O antigo presidente do núcleo de estudantes de bioquímica destaca o objetivo de  “dar uma roupagem diferente” ao órgão. Este conta com representantes dos professores e investigadores, dos estudantes, dos trabalhadores não docentes e não investigadores, bem como de personalidades de reconhecido mérito externas à UC.

Renato Daniel evidencia que caso seja eleito como membro do Conselho Geral da UC compromete-se “a escrever um livro que retrate os problemas dos estudantes” de forma a identificar problemas e apresentar soluções à direção da instituição. As grandes bandeiras da candidatura são o debate da propina do estudante nacional e internacional, as exigências pedagógicas, a renovação dos espaços de ensino e a melhoria das condições nas residências universitárias. Renato Daniel afirma que “o mero facto de pedir uma ação simbólica não é suficiente” e  assim procura uma ação mais séria.

Este mandato tem como grande motor “aproximar o Conselho Geral da UC da comunidade estudantil”. O vice-presidente eleito da DG não tem dúvidas sobre a importância da ligação entre a AAC e a reitoria “para que se possa fazer um melhor trabalho de representatividade dos estudantes” já que ambos os órgãos trabalham no mesmo sentido.

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2022 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top