All for Joomla All for Webmasters
Desporto

João Carlos Pereira quebra maré de derrotas da Académica

Briosa aumenta vantagem sobre a zona de despromoção. Próxima jornada reserva reencontro com antigo técnico dos estudantes. Texto e fotografias por Carina Costa e Filipe Silva

Numa tarde de domingo marcada pelo mau tempo, em que a chuva foi presença constante, Académica e Casa Pia defrontaram-se 80 anos depois, com a vitória a sorrir de novo à equipa dos estudantes. Para o encontro da 12ª jornada da II Liga portuguesa, João Carlos Pereira não pode contar com quatro jogadores: Arghus, Fernando Alexandre, Chaby e Hugo Almeida, todos a recuperar de lesões. Dessa forma, o onze escalado foi Mika na baliza, secundado pelo quarteto composto por Mike, Zé Castro, Silvério e Mauro Cerqueira. O meio campo a três, composto por Ricardo Dias, Marcos Paulo e João Mendes, foi um apoio mais atacante ao trio da frente, com Barnes na direita, Traquina na esquerda e Derik ao centro.

As equipas começaram com determinação, tendo em vista os três pontos que ambas ambicionavam. O desejo de sair da zona de manutenção fez-se sentir, mas foi a Académica que estreou o marcador com um golo de Marcos Paulo aos cinco minutos, assistido por Mauro Cerqueira. Derik rematou forte à barra da baliza do Casa Pia, levando os adeptos ao rubro. A bola sobrou para a esquerda do ataque estudantil, com Mauro a fazer uma boa jogada individual, cruzando rasteiro, com a bola a cruzar toda a grande área. Marcos Paulo, livre de marcação, rematou perto da marca de grande penalidade, sem hipótese de defesa para Rodolfo Barata.

O jogo parecia encaminhar-se para uma vitória fácil dos homens da casa, mas, três minutos volvidos, o Casa Pia chega ao empate. Os visitantes, na sequência da cobrança rápida de uma falta a meio-campo, apanharam a defesa da Académica em contra-pé, com Kenidy a surgir isolado na pequena área da Briosa e a repor a igualdade no marcador, num lance muito contestado pelos homens da casa.

O jogo continuou num vaivém de ataques e contra-ataques, sem real perigo para ambos os guarda-redes, e com várias faltas assinaladas para ambos os clubes. Ao fechar a primeira parte, Marcos Paulo sofre uma lesão e é substituído por Leandro Silva, fazendo regressar ao Calhabé o espetro das lesões em primeiras partes. As duas equipas ainda tentam aproveitar o tempo que sobra com vários remates às balizas, mas acabaram por manter o empate.

O Casa Pia regressou dos balneários com vontade de mudar o rumo dos acontecimentos, mas encontrou na Académica um obstáculo intransponível. Ao contrário do primeiro tempo, que foi mais equilibrado, a segunda metade foi dominada pelos estudante, com o Casa Pia a sair pouco do seu meio-campo.

Apesar desta dominância, foi preciso esperar até aos 63 minutos para que Barnes, assistido por Traquina, desfizesse o empate. O 20 da Académica, após uma jogada na esquerda, entrou na área do Casa Pia e cruzou rasteiro, com a bola a passar toda a pequena área e a encontrar Barnes, que não falhou perante a baliza aberta.

Este golo serviu para abrir o apetite do avançado ganês, que passados quatro minutos voltaria a fazer levantar as bancadas. Na sequência de um lançamento de linha lateral dos visitantes, e de uma interceção dos estudantes, a bola acaba em Barnes, que a domina no peito e remata de primeira do meio da rua, com a bola a passar por cima de Rodolfo Barata, que estava adiantado.

O restante tempo de jogo foi marcado por mais substituições de ambas as equipas, mas o resultado manteve-se. Aos setenta e cinco minutos o médio brasileiro, Sávio Roberto tenta atenuar a derrota com um remate de livre, mas Mika não permitiu que o tiro fosse certeiro. Daí até final, o Casa Pia tentou pressionar um pouco os estudantes, que iam respondendo em contra-ataque, mas sem que o resultado se viesse a alterar.

Na conferência de imprensa, o treinador do Casa Pia, Rui Duarte, reconheceu a boa atitude e organização da sua equipa na primeira parte, mas, após o segundo golo sofrido, não conseguiram reagir e as alterações feitas à equipa acabaram por prejudicar o onze. Questionado sobre a forma de dar a volta à situação, o treinador diz que é muito cedo para “atirar a toalha ao chão, porque a primeira volta ainda nem acabou”.

Já o treinador da Académica, João Carlos Pereira, mostrou-se ambicioso para o encontro seguinte contra o Sporting da Covilhã, ao afirmar que a preparação para o próximo adversário “começa já hoje”. “Não faz sentido nenhum ganhar um jogo sem começar a próxima vitória”, sublinhou o treinador. Sobre a questão de reforçar o plantel no mercado de janeiro, João Carlos Pereira disse que ainda está a conhecer os jogadores, mas “não é a favor de mexer por mexer”. Para o técnico, “o sucesso da equipa está na continuidade do grupo de trabalho”.

Também presente na conferência de imprensa, ao lado do seu treinador, esteve Traquina. O extremo admitiu que, após as três derrotas consecutivas, sente alívio “com esta vitória que têm vindo a procurar há muito tempo”. Como um dos jogadores mais experientes do plantel, tenta analisar as coisas da maneira mais fria para manter a moral dos restantes jogadores em alta, apesar das dificuldades.

Com esta vitória, os estudantes subiram para o 15º posto, agora 12 pontos. O encontro da próxima jornada, no próximo dia 15 de dezembro, tem lugar na Covilhã, frente ao Sporting local, treinado por Ricardo Soares.

Com Paulo Sérgio Santos

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2019 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top