All for Joomla All for Webmasters
Desporto

[II Liga] Académica vs Oliveirense – os estudantes, um a um

A Caderneta.de.Cromos foi ao Estádio Cidade de Coimbra para ver a nova face da Académica na época 19/20. No meio de tantos cromos, a caderneta só poderia ficar preenchida. Sete golos, muitas estreias, um Michael Douglas a jogar futebol, um pedido de casamento em pleno jogo. Tinha tudo para dar certo. E deu. Vitória para a Briosa por 4-3 e 90 minutos de puro prazer a analisar (mal, como vão ver nos próximos textos) os cromos que correram de losango no peito no dia 28 de dezembro. 
Para lerem mais sobre a Caderneta.de.Cromos, basta seguirem aqui.


Mika – 5

Um espectador. Aproveitou o jogo para pedir dicas a Bruno Vale sobre como ser uma grande promessa e terminar uma carreira na II Liga. Bruno Vale ainda teve a recompensa do Apoel Limassol retirar o seu número em sua honra. Mika, pelo contrário, quando se pesquisa no google pelo seu nome, ainda aparece o cantor dos hits Grace Kelly e Relax Take It Easy. Mas ainda vais a tempo garoto.

Sérgio Conceição – 5

Será difícil ser profissional e ser constantemente comparado ao pai? Talvez, mas é inevitável. Um lateral com alguma imaturidade a defender, corajoso na subida, rápido, cabeça apontada para o chão quando arranca e 3% da agressividade que o pai tinha. Mas isto não é, para mim, surpresa. Não esquecer que este Sérgio Conceição mais novo estudou no Infanta Dona Maria e que o seu pai estudou na Escola Básica do 1º Ciclo de Ribeira de Frades, conhecida pelas grandes conquistas no torneio inter-escolas. Não há milagres.


Zé Castro – 6

Arrisco-me a dizer que Zé Castro teve um ‘part-time’ no aeroporto de Madrid quando esteve a jogar no campeonato espanhol. A facilidade com que ele braceja, gesticula, aponta ferverosamente para a direita e para a esquerda enquanto reclama com os seus colegas de equipa, dá-me a clara sensação que coordenar uma pista é o melhor que este central sabe fazer. Tirando isso, qualidade invejável a entregar bolas longas e solidez nos 15 minutos finais. Nota 20 para o cabelo.


Silvério – 7

Calhou-lhe a fava do ‘penalty’ logo aos 7′. Depois de um passe à queima de Zé Castro para Mika, o central com nome de operário fabril recorreu à falta para parar o atacante. Consistente no resto do jogo, teve a missão de marcar o nº 99 da Oliveirense, um verdadeiro ‘panzer’ da grande área. Um jogador que é muito criticado pelos adeptos de Coimbra, mas que foi o melhor defesa da Académica neste jogo.


Francisco Moura – 6

Um jogo consistente de uma cara nova no onze desta Briosa de João Carlos Pereira. Resumo o jogo deste cromo com um ‘sprint’ aos 83 minutos de área a área, parando só para entregar a bola a Barnes. Jogo coroado com um golo de encostar.


Dias – 7

Há uma certa fixação dos adeptos de futebol pelo jogador que faz a assistência para golo, mas ninguém fala da assistência para a assistência para golo. Vejam o primeiro golo da Briosa e percebam do que eu estou a falar. Que rabanada… Resto do jogo, cirúrgico como sempre.


Marcos Paulo – 4

Mágico. Desapareceu durante 30 minutos para voltar a jogo e marcar o canto do segundo golo. A arte de passar despercebido não é para todos. Saiu para dar entrada a Leandro Silva.


João Mendes – 8

A fazer lembrar o nº 26 do Brasfemes, só que destro. A ocupar bem os espaços defensivos e ofensivos, a trabalhar em todo o terreno e a decidir com critério. Arriscou demasiado o remate, mas com uma exibição deste calibre, realmente merecia o golo.


Traquina – 8

Bom voltar à titularidade e logo com um golo. Se há um diabo da Tasmânia, este é claramente o Traquina do Calhabé. Com dificuldades na velocidade, mas a compensar na criatividade e com clareza na definição. Para a semana estou cá para te ver outra vez, garoto.


Derik – 6

Vocês conseguiriam negar a passagem de fim de ano no Rio de Janeiro a um garoto de 20 anos? Pelo que sei, Derik está ansioso pela passagem de ano na portagem e pelo concerto de ProfJam. Mas como é que ele vai fazer para mergulhar na sétima onda de 2020? Isso só em Copacabana. Ainda não há ondas no nosso Mondego. Alô, Manuel Machado? Quanto ao jogo, deu para suar um bocadinho e para dizer sim a um cruzamento caramelizado de Sérgio Conceição. Bom golo e que venham mais.


Barnes – 6

Não conseguiu fazer uma exibição melhor porque não teve mais bolas no espaço. Como sempre, perigoso nas costas da defesa. 


Leandro Silva – 5

Fez em três minutos mais passes do que Marcos Paulo. Arriscou, chegou à baliza. Jogo simpático. Nota para estes deliciosos cantos do nosso nº 10 da Briosa.


Chaby – 4

Cada vez que entra em campo sinto que vou ver um pouco de Bernardo Silva. Hoje arriscou demasiado num momento do jogo em que precisava de calmaria.


Hugo Almeida – 3

Excelente iniciativa da AAC para esta época natalícia da qual deixo já os meus parabéns. Dar a oportunidade a um elemento dos veteranos da AAC de participar na Liga Pro é uma experiência única. Certamente que foi um dia muito especial para este cromo lendário.

Nota para os adeptos: injusta assobiadela para Michael Douglas aquando da sua saída. Um jogador desolado não merece ser assobiado. Ainda para mais quando estamos a falar do galardoado actor Michael Douglas, premiado pela academia. Ele só queria ter exclusividade e aplausos na passadeira vermelha que dá acesso aos balneários do estádio Cidade de Coimbra. Eu aplaudo.

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2019 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top