All for Joomla All for Webmasters
Ensino Superior

Núcleos unem-se na causa solidária por Moçambique

Mike Hutchings/Reuters

Alimentos, roupa e produtos de higiene são os bens mais necessitados. Campanhas passam por consciencializar os estudantes para que “no futuro tenham essa iniciativa por si mesmos”. Por Diana Ramos e Mariana Rosa

Após o ciclone Idai, que assolou Moçambique, Zimbabué e Maláui, foram várias as instituições e associações que ocuparam a linha da frente para apoiar a população moçambicana. “Por ser numa zona que não tem acesso a tantos recursos, a ajuda humanitária é essencial”, salienta Luiza Rocha, coordenadora geral da Secção de Defesa dos Direitos Humanos da Associação Académica de Coimbra (SDDH/AAC). A cidade também se insere neste espírito comunitário e os estudantes mostram-se solidários para com as vítimas.

As iniciativas “Vamos Ajudar Moçambique” e “Apoio às vítimas de Moçambique” estão a ser desenvolvidas pelos núcleos de estudantes da Faculdade de Economia da UC (FEUC), da Faculdade de Direito da UC e do Polo II.  Os bens mais necessitados são os de alimentação, roupa e higiene. Apelam sobretudo à doação de alimentos enlatados, de preferência com longo prazo de validade, roupa de bebé e criança, fraldas de pano, mantas polares, lixívia e pastilhas desinfetantes para água e alimentos.

Para doar, basta deixar os bens numa banca de recolha das faculdades abrangidas por estas campanhas de solidariedade. Segundo José Pedro Lopes, presidente do Núcleo de Estudantes de Economia da AAC (NEE/AAC), um dos objetivos da recolha é “alertar as pessoas para este tipo de campanha para que, no futuro, tenham essa iniciativa por si mesmos e não por uma organização”.

“Vamos Ajudar Moçambique” trabalha em conjunto com a Organização Não Governamental Helpo, que se dedica ao apoio a mães moçambicanas e que vai ficar encarregue de enviar os donativos. Já a outra iniciativa planeava exportar as doações através dos CTT, mas visto que a campanha dos correios terminou, procuram agora outra alternativa. “Ainda não está definitivo como vamos fazer e estamos a investigar as opções que temos”, afirma Carmen Mesquita, vice-presidente do Núcleo de Estudantes de Engenharia do Ambiente da AAC (NEEA/AAC).

Para além da contribuição de bens, os estudantes podem também fazer donativos monetários para o NIB da Helpo. A campanha dos núcleos da FEUC começou no dia 25 e vai prolongar-se até dia 30. Por sua vez, a campanha dos núcleos do Polo II começou ontem e vai alargar-se até dia 5 de abril.

[Artigo atualizado às 16h24 de 28 de fevereiro]

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2019 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top