All for Joomla All for Webmasters
Ensino Superior

Inovação e investigação como caminho a seguir

Mariana Rosa

O  reitor eleito da Universidade de Coimbra (UC), Amílcar Falcão, defende que é necessário atrair mais estudantes para o Ensino Superior (ES). A investigação é um dos seus pilares mais importantes e para isso tem de haver um maior investimento nesta área. A preocupação com os estudantes, aliada à proximidade com a Direção-Geral da Associação Académica de Coimbra (DG/AAC) é uma das prioridades. Por Mariana Rosa e Pedro Teixeira Silva

O que vai fazer no seu primeiro dia como reitor?

Imagino que seja um dia pesado, pois é o dia da universidade. De manhã vamos ter a tomada de posse do reitor e de tarde a celebração do dia da universidade, dia 1 de março. Vai ser  um dia duro, mas ao mesmo tempo feliz. Vou ter a oportunidade de assumir a liderança da UC na qualidade de reitor, o que me deixa profundamente orgulhoso.

Quais são os maiores desafios de ser reitor da UC?

Há muitos desafios. Sempre disse, ao longo da campanha, que o maior problema da universidade é a atratividade. Temos de ser uma universidade capaz de atrair estudantes, investigadores, professores e até mesmo os pais dos discentes. É importante que se crie uma melhor imagem da UC em todos os seus níveis, embora já tenha uma grande imagem. Temos de oferecer boas opções na formação e na investigação.

Como é que pretende atrair mais estudantes nacionais, dado que a tendência é que eles se concentrem nos áreas metropolitanas de Lisboa e Porto?

A resposta tem duas partes. A primeira é não perder ou tentar agarrar os estudantes regionais. Gostaria de fixar mais estudantes do distrito de Coimbra e depender menos dos que vêm de fora. Portanto, temos de ter a capacidade criar, na nossa região, uma boa rede de divulgação e espero que a DG/AAC esteja connosco nessa parceria. A segunda parte é atrair estudantes fora do distrito e temos algumas formas de o fazer. Somos uma cidade universitária, segura, onde o aluguer de habitação é mais baixo do que nas áreas metropolitanas do Porto e de Lisboa. Para além disso, queremos ter uma comunicação mais forte.

João Gabriel Silva disse em entrevista à tvAAC que considera necessário aumentar o número de estudantes internacionais. Partilha a mesma opinião? 

Sim, partilho a mesma opinião. Temos um limite para esses estudantes e estamos muito longe de o atingir. Dispomos de um espaço de crescimento para estudantes internacionais, o que é relevante. Temos de olhar bem para aquilo que oferecemos e de ser ainda mais competitivos. É um assunto que tem de ser estudado em conjunto com o Conselho Geral (CG) da UC quer no que diz respeito ao tipo de oferta quer à própria propina. Se não me engano, podemos triplicar o número de estudantes internacionais. 

Em comparação com outras universidades a propina internacional na UC é a mais alta. Existe a possibilidade de ela ser reduzida? 

Não me posso comprometer com a diminuição de valores. No entanto, entendo que o assunto deve ser estudado. Se houver possibilidade de conseguir fazer ajustes na propina, creio que eles devem ser feitos. Outra possibilidade é que a propina atual possa contemplar uma maior oferta para além da inscrição no curso. 

Ter sido vice-reitor faz com que se sinta mais preparado para assumir este cargo?

Ter sido vice-reitor permitiu-me conhecer a universidade, as suas estruturas, as pessoas e a região. Portanto, de uma forma mais simples, eu não seria candidato a reitor se não tivesse tido a experiência de fazer parte da equipa reitoral.

Pretende investir num projeto de continuidade ou quer um novo rumo à universidade?  

Eu quero dar continuidade àquilo que está bem feito e mudar aquilo que precisa de ser mudado. Tenho a vantagem de saber aquilo que devo mudar e no meu programa de ação fui muito claro quanto àquilo que eram as minhas propostas de mudança. Há coisas que o reitor João Gabriel Silva fez com as quais eu me identifico e concordo. Há medidas que não foram tomadas ou que não foram tomadas como eu gostava que fossem. Vou tentar corrigi-las de forma a ir ao encontro do meu programa, pois cumpro os meus compromissos. Escrevi um programa que não é fechado. Trata-se de um programa aberto ao diálogo, mas existe uma estrutura mental, que é a minha forma de pensar e de ver a UC nos próximos quatro anos. Nesse programa podem ver as diferenças, elas existem e são bastantes, como é o caso do marketing, do turismo, da imagem, do desporto e da investigação. Há um conjunto de matérias que vou executar e que são diferenciadoras daquilo que o atual reitor fez.

Como é que pretende investir na investigação e na inovação? 

No caso da investigação vou tentar contratar alguns investigadores internacionais de qualidade, de modo a ganhar produtividade científica e aumentar a nossa visibilidade. Vou também procurar, junto dos investigadores nacionais, criar melhores condições de trabalho, premiá-los e reconhecer o seu mérito. Há um conjunto de medidas, que já anunciei, e que vão ser trabalhadas com os centros de investigação, com o senado, com os diretores das unidades orgânicas e com o CG. Certamente, no início do próximo ano, já vão ser visíveis algumas medidas de incentivo aos investigadores.

Do ponto de vista financeiro é possível fazer um forte investimento na investigação? 

O investimento na investigação tem sempre um retorno e depende daquilo que investimos. Nos últimos oito anos, com uma política que não foi tão agressiva como gostaria, duplicamos o financiamento e o número de projetos em investigação. No caso dos projetos internacionais do Horizonte 2020, da Comissão Europeia,  aumentámos quatro vezes o número dos mesmos, bem como oito vezes e meia o seu valor. Há indicadores que afirmam que investir e apostar na investigação leva à criação de bons investigadores que ganham projetos. Esta é uma das medidas que pretendo implementar. Nem todo o retorno é monetário, na medida em que pode ser intangível. Isto pressupõe melhorar as condições dos estudantes na sua formação e envolvê-los na investigação mais cedo, o que não é contabilizável nem é dinheiro.  Iremos ter um retorno financeiro direto e indireto. Gostaria de acentuar que com melhor investigação mais estudantes vão querer vir para Coimbra e vamos proporcionar uma maior oferta pedagógica.

Os apoios financeiros do Estado têm vindo a diminuir, de que forma é possível colmatar este problema? 

É verdade que os apoios têm vindo a diminuir. A minha visão sobre essa matéria é muito simples: diminuiu para todos e, apesar de tudo, a UC não é a que está pior. Vai-se chegar a um ponto em que as universidades não vão ter capacidade para funcionar, o que não é o nosso caso. Do ponto de vista financeiro, temos alguma robustez. Quero acreditar que o governo vai chegar à conclusão que não pode cortar mais e tem de nos dar o apoio necessário para termos um ES de qualidade. Este último é fundamental para a formação dos jovens e eles são o futuro do país. Não podemos deixar de lado a sua formação. 

A proximidade entre o governo e a universidade tem de ser uma constante? 

Sim, temos de estar mais próximos do governo. Mais interventivos, numa lógica de parceria e não de combate às medidas do mesmo.

A propina tem sido um tema em debate no seio estudantil. Pensa que a propina zero é exequível a longo prazo? 

Eu já me manifestei várias vezes sobre esse assunto e, aliás, em conversa com o anterior e o atual presidente da DG/AAC disse-lhes o que pensava. No dia em que os estudantes forem para a rua pedir que não haja propinas o reitor não vai contrariar esta reivindicação. Eu tirei o meu curso com a propina zero, sei o que é viver com ela e sei o que é viver com as propinas atualmente. Esta questão é muito simples. Na minha opinião, não há uma razão muito óbvia para haver propinas. A Constituição da República Portuguesa é muito clara: o ensino deve ser gratuito. Partilho da mesma posição do Presidente da República, que neste momento acredita que  a redução da propina ou a anulação da mesma pode ser essencial para atrair mais jovens para o ES. Se queremos um bom futuro para o país temos de ter o maior número de jovens possível no ES. Se a abolição da propina aumentar o número de jovens, creio que é uma boa medida. Contudo, se diminuirmos o valor ou abolirmos a propina, o governo vai ter de entregar às universidades um envelope financeiro que compense essa perda de financiamento.

Existem 14 Residências Universitárias com 1350 lugares disponíveis. O que é um número baixo num universo de cerca de 24 mil estudantes. De que forma é possível reverter esta situação?   

Nessa matéria fui muito claro. Pretendo tentar requalificar todas as residências da UC e dialogar com a DG/AAC no sentido de procurar soluções em conjunto. Temos vários planos. Estamos à espera que os hospitais construam a maternidade para termos disponível a Daniel Matos como residência. Queremos fazer uma residência no Estádio Universitário de Coimbra, destinada à área do desporto. No Polo II temos projetos aprovados para residências. Há trabalho que pode ser feito, não podem é pedir à UC que disponibilize verbas que não tem. Ao existir incentivo por parte do governo, a universidade vai estar na linha da frente para melhorar, qualificar e fazer novas residências. No caso da requalificação, vamos investir independentemente do apoio do governo. A UC tem responsabilidade sobre o serviço de ação social e de investir na requalificação e na manutenção das residências atuais, de modo a criar boas condições para os estudantes.

Após a realização dos Jogos Europeus Universitários em Coimbra, qual a próxima etapa para o desporto universitário?

Os Jogos Europeus Universitários introduziram um conceito diferente no desporto universitário em Coimbra. Conceito este que tem de ser entendido por todos como sendo estratificado. A carreira dual de alta competição tem um estatuto próprio e já temos acordos com várias federações, como é o caso da natação, da canoagem e do ciclismo. Estamos também a trabalhar com outras federações para recebermos atletas da alta competição envolvidos no programa olímpico. Temos de olhar para o desporto como promoção da qualidade de vida e como formação de valores nos jovens. Isto tudo em colaboração com a DG/AAC. Temos, neste momento, programas como o “Experimenta”, o “Torneio Inter-residências”, o “Desporto nas residências” e os Jogos da Universidade de Coimbra. Tudo isto envolve, neste momento, mais de mil estudantes e funcionários da universidade e, portanto, estamos com uma quantidade considerável de indivíduos a praticar desporto com acompanhamento através dos serviços médicos. Assim, estamos a fazer um trabalho base que nos permite criar essas condições. Gostaria que o desporto passasse a ser reconhecido como suplemento ao diploma nos casos de alta competição e carreiras duais. Tencionamos envolver ECTS no currículo para que também a prática desportiva possa ser considerada uma atividade formativa de seres humanos e profissionais. Pretendo também introduzir esta medida noutras áreas, como o empreendedorismo. Temos o “Académica Start UC”, que é um projeto fantástico. Também entendo que os embaixadores dos núcleos tenham um suplemento ao diploma e até equivalência em ECTS na área da formação do empreendedorismo. A universidade não está a fazer mais do que o seu papel ao criar condições de formação completa enquanto seres humanos.

O que pretende fazer para aumentar o número de estudantes em mestrado e doutoramento?

No caso dos mestrados, temos de começar a pensar em ter alguns cursos em língua inglesa, de modo a atrair estudantes estrangeiros. Os cursos de mestrado têm propinas relativamente acessíveis, o que não é um problema. Nos cursos de doutoramento, a propina também não é elevada. Para os estudantes internacionais a propina é igual à que é cobrada aos estudantes portugueses. Vou tentar, se tiver espaço financeiro, criar bolsas de mérito para que alguns estudantes possam fazer o doutoramento. Pretendo apostar ainda na colaboração com empresas que tenham interesse em patrocinar Bolsas de Doutoramento em Empresa.

O Centro para os Rankings Universitários Mundiais coloca a UC como a terceira melhor universidade portuguesa. No entanto, a Universidade de Lisboa e a Universidade do Porto estão bastante distanciadas de Coimbra. Como é que se pode atenuar esta diferença?

Em primeiro lugar, existem muitos ‘rankings’. A forma como estes abordam as Instituições de ES varia de ‘ranking’ para ‘ranking’. Há uns que dão mais valor à investigação, outros aos artigos publicados e ainda uns que dão mais valor aos prémios Nobel. Portanto, nós nunca conseguiremos estar de acordo com todos. Como diz o Presidente do CG da UC, o que nos interessa é tentar ser o melhor possível no ensino, na investigação e na inovação. Se conseguirmos aumentar o patamar a estes três níveis, vamos estar melhor posicionados nos ‘rankings’. Quando olhamos para os indicadores da investigação, estamos próximos de Lisboa e do Porto. Não podemos é esquecer que eles têm um corpo estudantil maior do que o nosso. Há grandes universidades que, não sendo grandes em tamanho, são grandes na ambição e no reconhecimento. Não querendo comparar o incomparável, mas nos principais lugares dos ‘rankings’ temos Cambridge e Oxford, que são universidades como Coimbra. Não estão na capital do país e são do nosso tamanho. Contudo, têm orçamentos que são cem vezes superiores ao nosso e um prestígio incomparável, infelizmente. Delas podemos retirar que existe um caminho a seguir e que uma universidade da nossa dimensão não está impedida de subir nos ‘rankings’.

Existem alguns edifícios degradados. Porém, muitos deles são património da UNESCO, o que é uma barreira à intervenção nos mesmos. Como pensa que é possível reverter isto?

Sim, esse é um problema que temos de ultrapassar em diálogo com a câmara. É um problema sério porque, se, por um lado, temos obrigação de preservar o património, por outro lado, a nossa intervenção é sempre muito dificultada. Burocraticamente, as licenças são complicadas. Tudo isto atrasa e encarece muito as obras. Portanto, a solução para isso passa por fazer um bom mapeamento do que temos de trabalhar e ter uma ligação muito próxima com a autarquia visto que a classificação da UNESCO também envolveu a cidade.

O presidente da DG/AAC, Daniel Azenha, em entrevista ao Jornal A Cabra, disse que é necessário a proximidade com o reitor. Partilha da mesma opinião? 

Em absoluto. A conversa que tivemos foi nesse sentido. O meu compromisso com o atual presidente da DG/AAC e com os sucessores é de um diálogo muito aberto e próximo. Estou recetivo para ouvir os estudantes em todas as matérias. Penso que nós temos de ter uma AAC muito forte. Assim, vejo como caminho termos uma associação que esteja saudável, forte e envolvida nos projetos da universidade e da cidade.

Como pretende dar maior autonomia às unidades orgânicas?

Fundamentalmente, naquilo a que podemos chamar de descentralização. Ou seja, não se trata de uma autonomia administrativa nem financeira, mas sim ao nível da decisão local. Há coisas que uma unidade orgânica sabe como deve fazer, no tempo em que o precisa de fazer e é um erro tudo isto não ser feito no local adequado. Nós temos os sistemas informáticos ligados e, hoje em dia, não precisamos de estar todos na mesma sala. Portanto, a minha ideia é implementar um sistema de progressiva descentralização nas compras e, por exemplo, no atendimento aos estudantes.

Tem alguma coisa a acrescentar?

Para mim, os estudantes são o mais importante. A universidade existe com e para eles. Aquilo que vou tentar é que não se cometam erros graves e ouvir os estudantes visto que o choque geracional existe. Ao saber deste problema, quero suavizá-lo e permitir que as novas gerações tenham um espaço para fazer coisas novas e diferentes, para experimentar e errar. Aquilo que me vai dar mais gosto na vida, sendo reitor da UC, é que, após o meu mandato, não vou estar preocupado se fiz o edifício A ou B. Preocupo-me que os estudantes da UC reconheçam que a academia impulsiona melhores condições de ensino, investigação, prática desportiva, empreendedorismo, voluntariado e maior empregabilidade. Esta é a minha forma de pensar e o meu objetivo primário. É trabalhar a pensar que os estudantes são o mais importante. 

Secção de Jornalismo da Associação Académica de Coimbra

Rua Padre António Vieira, Nº1 - 2ºPiso 3000 Coimbra

239 851 062

Seg a Sex: 14h00 - 18h00

© 2018 Jornal Universitário de Coimbra - A Cabra

To Top