A Jigsaw: chegar à vida adulta numa carreira de reinvenção

A maioridade da banda coincide com a comemoração dos dez anos do disco de estreia. A Jigsaw volta a tocar ao vivo músicas do primeiro álbum. Por Maria Fernandes

O multi-instrumentismo que A Jigsaw apresentou ao mundo em 2007 com “Letters from the boatman” não se deixou ficar por ali. Dez anos depois e com quatro discos editados, a banda conimbricense reinventa o seu primeiro álbum em formato vinil. A edição comemorativa dos seus dezoito anos de carreira é acompanhada pelos The Great Moonshiners Band em dois concertos, dias 15 e 16 de dezembro pelas 22h num ambiente familiar à banda, o Salão Brazil.

“É sempre curioso chegar aos 18 anos, olhar para trás e ver como é que começamos” reflete João Rui, vocalista e guitarrista de A Jigsaw. No entanto, este não é apenas o aniversário de chegada à maioridade. Comemora-se dez anos do lançamento do primeiro álbum de estúdio da banda composta por João Rui, Jorri e Susana Ribeiro. “Letters from the boatman” assinala o início de uma sonoridade marcada pela multiplicidade de instrumentos e de convidados que o vocalista destaca como “diferentes” e “especiais”.

Na década que afasta ambas as edições “mudou muita coisa”, conta João Rui que, em conjunto com Jorri, constitui a formação original da banda. Em 2005, quando começaram a gravar o álbum, cada um dos elementos tocava apenas um instrumento. Com o intuito de chegar à “imagem” pretendida, convidavam inúmeros artistas, o que acabou por se tornar num “problema” ao colocá-lo ao vivo. Susana Ribeiro junta-se à banda nesta primeira fase como convidada e depois como membro integrante.

Durante as “sessões de preparação e de formação de identidade” que constituiram o percurso do trio, alargaram os seus conhecimentos instrumentais tendo em vista a autossustentabilidade da banda. Hoje em dia conseguem incluir num álbum 26 instrumentos, sem recorrer a membros exteriores.

O concerto no Salão Brazil

A Jigsaw não toca ao vivo músicas do seu primeiro disco desde 2009, com raras exceções, e considera que vão haver  mudanças“naturais”. “À partida há coisas no álbum que lá devem ficar e é dessa forma apenas que elas existem” afirma João Rui. “Ao vivo há sempre transformação”, acrescenta o guitarrista. Nos espetáculos deste fim de semana “não vamos ser fiéis ao original”, revela.

Ambos os concertos vão contar com a participação de Pedro Antunes, Victor Torpedo, Tracy Vandal e Raquel Ralha, a qual protagonizou dois temas do álbum. O vocalista expressa ainda a importância desta celebração decorrer na cidade de Coimbra, em especial no Salão Brazil, palco de inúmeros momentos da carreira dos A Jigsaw.

Fotografia: Maria Fernandes