Orçamento Participativo Jovem passa pelo IPDJ de Coimbra

Esclarecimento acerca do orçamento, dos prazos e das candidaturas são os principais pontos de trabalho. Iniciativa revela-se “um processo sem precedentes a nível mundial”. Por Pedro Dinis Silva

Este ano foi implementado, pela primeira vez, o Orçamento Participativo em Portugal. Neste seguimento, o Governo da República avançou com o Orçamento Participativo Jovem Portugal 2017 (OPJP), evento único a nível nacional e internacional. Catarina Durão, diretora regional do Centro do Instituto Português do Desporto e Juventude (IPDJ), explica que o OPJP é um “processo de participação democrática que abrange todo o território nacional, no âmbito do qual os cidadãos de idades compreendidas entre os 14 e os 30 anos podem apresentar e decidir projetos de investimento público”. Depois de acontecer em zonas como Braga, Aveiro, Évora e Funchal, o evento chega a Coimbra no dia 10 de outubro do ano presente.

“É um processo de participação juvenil sem precedentes a nível mundial”, sublinha a diretora. As temáticas a ser desenvolvidas pelos participantes são o desporto inclusivo, a educação para as ciências, a inovação social e a sustentabilidade ambiental, sendo que o limite orçamental a ter em conta em cada projeto é de 75 mil euros. Segundo o website oficial da iniciativa, após a apresentação de propostas recolhidas em todo o país, acontece a análise técnica, a consulta e a votação das mesmas. Os projetos vencedores são depois divulgados numa apresentação pública.

Catarina Durão faz notar que esta é uma oportunidade única para a juventude, sobretudo para comunidades estudantis como a de Coimbra, pois “pela primeira vez os jovens estão a ser chamados e a sugerir onde querem que seja investido o dinheiro”. A diretora realça que todos os jovens são chamados a participar. “Qualquer um pode apresentar uma proposta que pode, quem sabe, ser uma das vencedoras no país”.

Uma das vinte sessões distritais do OPJP decorre em Coimbra no dia 10 de outubro e toma lugar na sede do IPDJ da cidade. Catarina Durão esclarece que os objetivos da sessão são “perceber os contornos do orçamento participativo, entender os pormenores dos prazos e que tipo de candidaturas podem ser apresentadas”. Apela ainda à “forte participação de jovens com ideias criativas”.

Fotografia: Ana Francisca Nunes